Defunctus - Lembretes da morte

Lembrete da morte n º 1, 2007, 10 x 9 cm, impressão sobre papel.
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Lembrete da morte n º 2, 2007, 13 x 9 cm, impressão sobre papel.
aaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Lembrete da morte nº 3, 2007, 10 x 9 cm, impressão sobre papel.
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Lembrete da morte n º 4, 2007, 10 x 9 cm, impressão sobre papel.
aaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaa
Lembrete da morte nº 5, 2007, 13 x 9 cm, impressão sobre papel.
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Lembrete da morte nº 6, 2007, 10 x 9 cm, impressão sobre papel.
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Lembrete da morte nº 7, 2007, 10 x 9 cm, impressão sobre papel.
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Lembrete da morte nº 8, 2007, 13 x 9 cm, impressão sobre papel.
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Defunctus – Lembretes da morte
Marcel Diogo

[1]“A palavra ‘defunto’ vem do latim defunctus (pronto, acabado). É forma verbal de defungi (cumprir, concluir). Originalmente, o sentido da palavra se referia ao cumprimento de alguma obrigação, ao pagamento de uma dívida. Foi a Igreja Católica que criou esse eufemismo para aludir a quem morreu, a quem já cumpriu sua existência neste mundo, que se extinguiu.” Estes trabalhos, consistem na apropriação de fotografias, retiradas principalmente na primeira metade do século XX, que apresentam cadáveres prontos para a cerimônia fúnebre, uma prática comum aquela época. As imagens são de autoria do fotógrafo Alaim José Ferreira e foram cedidas gentilmente por sua neta Thais Aparecida da Silva, apenas a última imagem, o cartão nº 8, o autor é anônimo, pois, nesta imagem a pessoa dentro do caixão é o próprio fotógrafo.
A partir destas imagens foram criados cartões de circulação pública que operam como “lembretes da morte”, neles foram inscritos dizeres retirados do livro dos Eclesiastes, visando a própria intencionalidade do livro, um alerta as vaidades da vida, deve-se estimar a temperança em detrimento ao acúmulo de riquezas materiais, recordando nossa condição perecível tornamo-nos mais humanizados. Eros o amor e Tanatos a morte, relacionam-se amalgamados entre a benevolência e o ódio, o prazer e a dor. Ironicamente, Eros é filho de Poros, a riqueza , e Penia, a pobreza, uma relação de carência e abundância, uma correspondência ambigüa existente entre a morte e a vida.
A morte é inerente a todos os seres viventes, compreendendo esta condição somos capazes de valorizar cada segundo vivido, nos aproximando da morte, afastamo-nos do materialismo mediocremente ordinário, [2]“Grave mal vi debaixo do sol : as riquezas que seus donos guardam para o próprio dano. E se tais riquezas se perdem por qualquer má aventura , ao filho que gerou nada lhe fica na mão. Como saiu do ventre de sua mãe, assim nu voltará, indo-se como veio; e do seu trabalho nada poderá levar consigo. Também isto é grave mal : precisamente como veio, assim ele vai; e que proveito lhe vem de haver trabalhado para o vento ?”
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
[1] COTRIM, Márcio. O Pulo do Gato – O Berço das Palavras e Expressões Populares.
[2] ECLESIASTES, Livro dos. In : Bíblia Sagrada, antigo testamento. Rio de Janeiro, 1969.
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa